OCUPAÇÕES DE EDIFÍCIOS ABANDONADOS NO CENTRO DE SÃO PAULO Novas formas de pensar o urbanismo?

W. Spiess

Resumen


RESUMO

No final da década de 1990, as ocupações de edifícios abandonados pelos movimentos de moradia do centro tornaram-se símbolo da luta daqueles que acreditam e brigam pelo direito à moradia, transformando-se em instrumento de pressão junto ao poder público. Colocaram em pauta ao mesmo tempo a questão da habitação nas áreas centrais e a necessidade de combater a vacância no centro da cidade. Dotada de uma complexa rede de infraestrutura e serviços, a região central de São Paulo encontra-se subutilizada e pontilhada de vazios. Este artigo procura analisar como estes movimentos podem contribuir para a discussão sobre novas formas de pensar o urbanismo.

 

Palavras-chave: ocupações, habitação, movimentos sociais, centro de São Paulo

Linha de Investigação: 2. Cidade e Ambiente Tópico: Risco, vulnerabilidade e resiliência

 

ABSTRACT

Equipped with a complex infrastructure and services network, the central region of São Paulo is underutilized and dotted with voids. In the late 1990s, the occupation of abandoned buildings by social movements became a symbol of the struggles of those who fight for the right to housing, becoming an instrument of pressure within the government. At the same time, they raised the issue of housing in central areas and the need to combat vacancy in the city center. This article seeks to analyze how these movements can contribute to a discussion about new ways of thinking urbanism.

 

Keywords: occupations, housing, social movements, São Paulo downtown

Thematic clusters: 2. City and Environment  Topic: Risk, vulnerability and resilience

 




DOI: http://dx.doi.org/10.5821/siiu.10013